domingo, 28 de dezembro de 2008

Pipocaaaaa


Marlei & eu

Li o livro após a indicação da minha amiga querida , e mais nova Veterinária Rafaela, obrigada linda pela indicação...Hoje assisti o filme e vale muito a pena.
Acredito que filmes devem vir com uma lição ou mensagem, e neste resta claro, que um animal nos ama pelo que somos e não pelo que temos, o SER realmente prevalece ao TER.
Ahhh que delícia fazia um tempão que não ia ao cinema!!!
Em 2009 prometo fazer isso com mais frequência(será que caiu o assento de frequência kkkkkk). Esta ai a dica ...
"Seria possivel que um cachorro pudesse mostrar aos seres humanos o que realmente importava na vida? Eu acreditava que sim. Lealdade. Coragem. Devoção. Simplicidade. Alegria. E também as coisas que não tinham importância. Um cão não precisa de carros modernos, palacetes ou roupas de grife. Símbolos de status não significam nada para ele. Um pedaço de madeira encontrado na praia serve. Um cão não julga os outros por sua cor, credo ou classe, mas por quem são por dentro. Um cão não se importa se você é rico ou pobre, educado ou analfabeto, inteligente ou burro. Se você lhe der seu coração, ele lhe dará o dele. É realmente muito simples, mas, mesmo assim, nós humanos, tão mais sábios e sofisticados, sempre tivemos problemas para descobrir o que realmente importa ou não.”Trecho do livro Marley & Eu - A vida e o amor ao lado do pior cão do mundo.

3 comentários:

Paulinha Alves disse...

O acento de freqüência cai a partir do momento em que suas visitas ao cinema se tornarão mais intensas! A reforma ortográfica começa a valer a partir de 2009 e tem um prazo, se não me engano de quatro anos, para se tornar obrigatório. Maas, cá entre nós, essa trama está em desuso faz é tempo! :p
Que bom que você gostou do que eu escrevo! Estou começando, mas gostando bastante da idéia. É como uma terapia! Ponho tudo para fora! hahah
Ah, e vou assistir ao filme!! bjo

Nina disse...

Paulinha!!!
Obrigada pelo post, e estou super feliz que esta amando a escrita...vai para você com muito carinho a definição que Clarice da para a arte gostosa de escrever ...bjos

"Escrever é procurar entender, é procurar reproduzir o irreproduzível, é sentir até o último fim o sentimento que permaneceria apenas vago e sufocador. Escrever é também abençoar uma vida que não foi abençoada."
Clarice Lispector

Rafaela disse...

"Se você lhe der seu coração, ele lhe dará o dele". Ai to louca pra ver o filme, o livro é muito bom! e o filme deve ser ótimoo! Beijoos