terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Feito um galho seco



Galho Seco
Zé Geraldo

Quando um homem chega numa encruzilhada,
Quando a gente chega numa encruzilhada
Olha prum lado é nada
Olha pro outro é nada também
Aí o céu escurece, o céu desaba
Tudo se acaba.
Quando tudo tá perdido na vida
Só quando tudo tá perdido na vida
É que a gente descobre que na vida
Nunca tudo tá perdido, minha flor.
Eu andava acabrunhado e só
Perdido e sem lugar
Feito um galho seco
Arrastado pelo temporal
Pensei até em enrolar minha bandeira e dar no pé
Eu pensei até em jogar fora a minha história, os documentos e aquela fé
Fazia tempo que o sol não derramava luz na minha vidraça
Depois que tudo passa
O vento leva as nuvens negras noutra direção
Também pudera
Uma hora era o fogo que rasgava o chão
Outra hora era a água que descia e afogava toda a plantação
Ainda bem que me restou o seu sorriso
Que me alumia a alma
Que me acalma quando é preciso
E como eu preciso!
Como eu preciso
Que me acalma quando é preciso
E como eu preciso
Eu andava acabrunhado e só...

Este post é em homenagem ao grande professor Madeira, realmente a música citada por ele após a aula de processo penal tem muito haver com momento em que me encontro ... Valeu Madeira hoje vou fazer a oração para Vera Lúcia, atentendo ao teu pedido.

Um comentário:

Walid disse...

Muito legal, Brima! Belíssima letra.
Baussi.