quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Já fui feliz

Quando você chegou na minha vida, parecia que a vida inteira estava naquela estação a te esperar, tudo com direito aos tumultos embarques, desembarques, despedidas e reencontros. Confesso que nosso caso se encaixa na ultima opção, realmente foi um reencontro, de que vida, não sei precisar, mas tenho a plena certeza de que se você foi Adão fui tua Eva, se foste Romeu fui Julieta e foste Garibaldi fui Anita.
Agradeço hoje por ser tua Nina, não sei qual é o final dessa Historia, mas na minha lembrança guardarei todos os registros, como uma maquina Polaroid.
Lembro-me que não tem nada melhor que andar grudada em você especialmente se for na garupa. Lembro-me das nossas brigas, pois tem algo interessante e atípico, pois toda vez digo que nunca mais, fortalecendo assim a tese da minha hipocrisia, mentindo para mim mesma, jurando sempre risca-lo de vez, arranca-lo de mim.
Lembro-me que você não sabe escolher roupas para mim, errando o tamanho e nunca acertando meu gosto. Lembro-me da delicia que é uma tigela de açaí na tua companhia, que minha primeira Jaca foi com você (fruta exótica ainda mais pra se comer em pleno centro de SP).
Lembro do cheiro doce da sua pele, que tuas cutículas são sensíveis e que adoro fazer suas unhas, quando fecho os olhos posso até sentir a suavidade de tuas mãos.
Lembro-me que toda vez que ia viajar e deixá-lo, a noite anterior eu reservava para velar o teu sono, queria guardar aquela cena, num saquinho, caixa, envelope, no bolso ou na própria bolsa, hoje descobri que guardei cada suspiro seu na lembrança.
Lembro-me que brincávamos de brigar na rua, que sujava você de pasta de dente e que sempre que podia te fazia meu moleque.
Lembro-me que sonhávamos acordados que fazíamos planos mirabolantes, por horas pareciam tão concretos sólidos com a grande possibilidade de serem tateados.
Lembro-me do eu te amo que ficou engasgado no aeroporto de Congonhas, do porta mala do prisma, do quarto de hotel, dos cafés da manhã, do bosque, do apartamento em Guarulhos, dos almoços no Rafu, dos doces, dos taxis, do carro alugado, das árvores com gotas de chuva, vôo que perdi.
Lembro-me a cada dia e talvez por ter memória a vida toda saberei definir o que é felicidade.
Nina

Um comentário:

karol disse...

Nina lindaaa!!!
Texto MARAVILHOSO!! Pessoa MARAVILHOSA!!
Vc merece tooooooda essa felicidade citada aí no texto amiga e mais um pouco... e pode ter certeza que isso não vai demorar... pq tu é uma pessoa maravilhosa que merece tudo de melhor dessa vida!!!!!!
Bjoo te adoro!! Perfeito o Blog e os textos!!!!!